27/01/2021 às 05h48min - Atualizada em 27/01/2021 às 05h48min

Butantan espera chegada de 5,4 mil litros de insumos para vacina no dia 3

O Butantan aguarda a liberação e exportação pelas autoridades chinesas de adicionais 5,6 mil litros, já em "processo adiantado de liberação"

REDAÇÃO
ESTADAO CONTEUDO
O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, anunciou que no próximo dia 3 de fevereiro devem chegar ao País 5,4 mil litros de insumos, importados da China, necessários para a produção da Coronavac, vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo instituto em parceria com o laboratório Sinovac.
 

Segundo afirmou, o Butantan aguarda a liberação e exportação pelas autoridades chinesas de adicionais 5,6 mil litros, já em "processo adiantado de liberação".

"Tivemos sinalização de que a liberação será feita de maneira muito rápida", completou o diretor do instituto. Até o momento, a expectativa do Butantan é de receber, ao todo, 11 mil litros de insumos para a produção das doses da vacina.

Conforme afirmou Covas, cada dose recebe entre 0,62 ml e 0,5 ml de imunizante.

Nesta terça pela manhã, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), esteve reunido com o embaixador da China no País, Yang Wanming, para tratar da liberação de insumos necessários à vacina contra o coronavírus produzida e envasada pelo Instituto Butantan.

O embaixador descartou que o atraso na liberação dos insumos tenha ocorrido por atritos com o governo federal ou em retaliação às declarações do presidente Jair Bolsonaro contrárias à vacina. Conforme afirmou Yang, a demora em liberar os insumos pelas autoridades chinesas se trata de questão técnica e não política.

"Mantemos relação amistosa tradicional entre os dois países, incluindo o Estado de São Paulo, maior do Brasil", disse Yang. "A Coronavac está sendo aplicada em todo o País. A cooperação beneficia não só os paulistas, mas todo povo brasileiro", completou.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
visitas

total_visits

views

total_views

A pandemia de covid-19 colocou o mundo diante de um dilema: com o número de casos explodindo e um estoque limitado de doses de vacinas, quem deve ser imunizado primeiro?

36.7%
63.3%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp