06/04/2021 às 05h59min - Atualizada em 06/04/2021 às 05h59min

EFEITOS COLATERAIS DO LOCKDOWN

J15MNEWS
        Wesley Góes. Soldado da Polícia Militar do Estado da Bahia. Tinha 38 anos e, 13 de corporação. No dia 28 de março, acabou morto após um suposto surto psicótico — quadro que, segundo neurocientistas, acomete os policiais com bastante frequência. Frequência essa derivada de contradições constantes que sua formação, e, o seu dia a dia, provocam. O policial no nosso país vive constantemente atormentado por hipocrisia e o prende e solda da justiça. O famoso “enxuga gelo”. Isso quando não é obrigado a trabalhar sob ordens, de governadores ou superiores hierárquicos, irrelevando sua índole, treinamento, caráter, humanidade, honra, pensamento racional, e, qualquer coisa que diferencie o ser humano de um animal.

        O conceito de “lockdown”, é de que se evite aglomerações para achatar a curva do contágio pandêmico, enquanto se estrutura-se para enfrentar a doença. E não, para esperar o tempo passar, enquanto a vacina fica pronta. O trabalho, estudo, ou qualquer ocupação diária de uma pessoa é essencial para sua saúde física e mental. Saúde essa que se não respeitada, tanto quanto a mortalidade do vírus, pode causar também, muitas mortes. A curto prazo, como o caso do soldado mencionado. A médio e alongo prazo, como casos de pessoas que perderam anos de progresso árduo em um ano de medidas restritivas maldosas e/ou incompetentes, levando a pessoa a um destino de miséria. E o pior é que em meio a todo esse caos, os responsáveis por esses decretos, tem seus salários preservados. Até aumentados, como é o caso de alguns políticos e agentes do poder judiciário.

        Qual vai ser a herança que governadores e prefeitos deixarão pós pandemia em sua cidade e estado? O que foi construído ou melhorado de forma permanente com os BILHÕES que cada estado recebeu do Governo Federal? Essas perguntas terão que ser feitas a cada um dos responsáveis pela gestão dessa crise, independente de qual posição no comando estão. E as respostas terão que ser convincentes. Do contrário, estará nas mãos deles, miséria, mortes, depressões, descaminhos, onda de crimes, aumento do consumo de drogas, em fim, tudo que do capeta gosta.

        Nosso país precisa definitivamente, nem que seja em sua maioria esmagadora, acabar com a compra/venda de votos. Reeleição de políticos que roubaram ou que não produziram. Candidatos amadores, que só porque são conhecidos na cidade por exemplo, se acham na competência de ocupar um cargo público. Cargo que define o rumo de uma sociedade. Cargo que se mal ocupado atrasa gerações inteiras. Acorde brasileiro. A política é tão essencial na sua vida quanto o seu alimento! Não brinque de votar! 50, 100, 200 reais, um saco de cimento, um metro de areia, 1000 tijolos, uma cesta básica, o quer que seja, não vale a sua dignidade. Não vale o seu futuro jogado fora. Não vale a falta de oportunidades que você vai ter por muito tempo. Vender voto é como vender a própria alma para o diabo.

        Mas ninguém é culpado por ser enganado. Se o seu candidato é um lobo na pele de um cordeiro, tire-o de lá. É constitucional esse nosso poder. Só é preciso união e ação. Fiscalize! Pressione! Exponha! Cobre! EXIJA! Esses que se acham poderosos riem da sua cara enquanto você sofre. Se deliciam com o que há de melhor para comer e beber. Se drogam e gastam com prostitutas/os. Vivem uma vida sem limites de prazer. E tudo isso, com o dinheiro do seu tratamento médico, da sua educação e dos seus filhos, do lazer da comunidade, da sua segurança.

Fabrício Barbosa Valadares. Ouro Branco – Minas Gerias. 06/04/2021

 
Link
Relacionadas »
Comentários »
visitas

231567

views

640973

A pandemia de covid-19 colocou o mundo diante de um dilema: com o número de casos explodindo e um estoque limitado de doses de vacinas, quem deve ser imunizado primeiro?

36.6%
63.4%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp